Jul 21

Os Sindicatos dos Gráficos (STIGs) de todas as regiões do Estado de São Paulo definiram o começo do calendário da campanha salarial dos trabalhadores das indústrias do setor. As entidades precisam realizar assembleias com suas bases até 20 de agosto. Nelas, devem definir a pauta de reivindicação coletiva para este ano. A agenda foi acordada na última semana durante um encontro com os dirigentes dos diversos sindicatos, que são ligados à Federação Paulista da categoria (Ftigesp).

A data-base da classe é em 1º de novembro. Definiram que os trabalhos da campanha já devem começar porque acreditam que esta pode ser a mais adversa em função das consequências da aprovação da reforma trabalhista - projeto do Temer que desmontou a CLT e retirou direitos. O assunto inclusive foi bastante debatido durante a reunião dos federados, indicando a necessidade de iniciar o mais rapidamente as assembleias.

A campanha salarial será realizada de forma unificada entre a maioria dos STIGs. Ficam de fora apenas os STIGs Santos e ABC, porque eles têm uma outra data-base e negociam com um sindicato patronal distinto dos demais do Estado. Pelo mesmo motivo, a negociação dos gráficos da cidade de Campinas e de São José do Rio Preto serão feitas à parte.

No dia 4 de agosto, a maioria dos STIGs paulistas voltam a se reunir na Ftigesp para alinhar uma pauta de reivindicação unificada. "Depois do dia 20, prazo final para a realização das assembleias com os gráficos em todas regiões envolvidas, a Ftigesp enviará a pauta coletiva dos STIGs ao sindicato patronal (Sindigraf/SP)", diz Leandro Rodrigues, secretário-geral da Federação e presidente do Sindicato dos Gráficos de Jundiaí.

A tática e as estratégias da campanha salarial serão definidas após o envio da pauta à entidade do setor empresarial. Contudo, para a manutenção dos direitos contidos na Convenção Coletiva de Trabalho, como ocorreu nos anos anteriores, todos STIGs avaliam, sem exceção, que dependerá mais do que nunca da maior unidade e disposição de luta da categoria para enfrentar os efeitos negativos em virtude da reforma trabalhista.

Pressionar direitos abaixo dos existentes na CCT é um dos dispositivos que a reforma trabalhista permite os patrões imporem aos empregados, além de outras mazelas. "Logo, ou os gráficos entram na luta ou verão prejuízos se tornarem realidade. Não adianta reclamar depois da ação do STIG ou da negociação ruim, pois, mais do que nunca, o resultado disso será em função da baixa participação da classe trabalhadora", diz a Ftigesp.

Apesar das dificuldades impostas pela reforma trabalhista, a Ftigesp e os STIGs afiliados buscarão junto ao sindicato patronal a manutenção e as garantias conquistadas durante muitos anos materializadas na CCT. "Nossa luta continuará forte para garantir todos os direitos. Este será o nosso propósito para impedir qualquer retrocesso conquistado por meio dos processos coletivos de negociação e conquistas para a categoria", diz Leonardo Del Roy, presidente da Ftigesp. Ele ressalta que a luta vai continuar com todos os sindicatos para enfrentar o poderio econômico.

written by FTIGESP

Jul 20

Daqui a pouco tempo, já em novembro, entra em vigor a lei da reforma trabalhista sancionada por Temer depois de aprovada pela maioria dos deputados federais e senadores aliados do atual governo. A lei mudou 117 direitos da CLT. Permitirá as gráficas de Cajamar, Jundiaí,Vinhedo e região, por exemplo, rebaixarem remunerações, direitos e condições de trabalho do funcionário que está na empresa e do novo empregado. É uma questão de tempo diante das novas modalidades de contratos de serviço inseridas na lei, como gráficos terceirizados, temporários, tempo de serviço (intermitente) e autônomo (PJ). Autoriza ainda o patrão elevar a jornada de trabalho e não pagar financeiramente pelas horas-extras. E tudo pode ocorrer devido a decisão de políticos. Muitos deles eleitos com o voto dos gráficos da região, como os deputados Miguel Haddad e Bruna Furlan, ambos do PSDB. São do mesmo partido dos prefeitos de Jundiaí, Luis Fernando Machado, e da cidade de Vinhedo, Jaime Cruz. LEIA MAIS 

FONTE: STIG JUNDIAÍ 

written by FTIGESP

Jul 20

Na noite desta terça-feira, 11/7, o plenário do Senado aprovou, com 50 votos a favor e 26 contra, o Projeto de Lei (PLC) 38, referente à Reforma Trabalhista. O texto foi aprovado sem mudanças e, agora, segue para sanção de Michel Temer.Para o presidente do Sindigráficos, Álvaro Ferreira da Costa, as medidas impostas pela Reforma Trabalhista visam apenas a diminuição da proteção social e a precarização das condições de trabalho dos brasileiros. "O que esses políticos estão fazendo com o Brasil? É uma vergonha atrás da outra! A Reforma traz um enorme retrocesso a todos os direitos que conquistamos ao longo dos anos com muito suor! Estamos voltando para a escravidão! Enquanto este país for governado por golpistas e pela pequena parcela mais rica, o trabalhador sempre será prejudicado. É o pobre ficando mais pobre e o rico, sempre mais rico", afirmou. Entre os pontos previstos pela Reforma está o Negociado sobre o Legislado, que significa que os empregadores e trabalhadores poderão chegar a acordos coletivos independente do que prevê as leis trabalhistas. "Assim, por exemplo, as férias serão negociadas e seu parcelamento pode chegar a três vezes; a jornada diária de trabalho chegará a 12 horas; intervalo de apenas 30 minutos para repouso e alimentação; além de outros pontos que poderão ser negociados, como Plano de Cargos e Salários", explicou Álvaro. LEIA MAIS 

FONTE: STIG BARUERI/OSASCO

written by FTIGESP

Jul 20

Um dos pontos centrais da reforma é que os acordos coletivos de trabalho definidos entre as empresas e os representantes dos trabalhadores poderão se sobrepor às leis trabalhistas definidas na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). O texto lista alguns pontos específicos em que isso valeria, que dizem respeito à jornada de trabalho e salário, por exemplo. LEIA MAIS 

FONTE: STIG SANTOS 

written by FTIGESP

Jul 20

Curta suas férias no litoral norte de São Paulo. Este benefício é exclusivo aos sócios(as) do Sindicato dos Gráficos do ABCDMRPRGS. Sócio, dependentes e convidados: R$32,00. Crianças até 9 anos: Diária Grátis. Acomodações: Cada reserva dá direito a (no máximo) 06 pessoas na acomodação com TV, Ventilador, Piscina, Área para Churrasco, Quadra de Futebol/Basquete, Salão de Jogos e Estacionamento. Incluso: Cada acomodação esta estruturada com cozinha e utensílios, para preparo e conservação dos alimentos. Não há refeições incluídas na diária. Reserva: Contatar o Sindicato dos Gráficos com no mínimo 7 dias de antecedência. Reserva com no mínimo 2 diárias.Diárias normais: A reserva é feita normalmente (mediante a consulta disponibilidade). 

OBS: Natal, Réveillon, Carnaval: Impossibilitado de reservas (sorteio para respectiva categoria dos químicos). Lembramos que a Colônia de Caraguatatuba é uma parceria com o Sindicato dos Químicos. Se você ainda não é sócio(a), preencha sua ficha agora! (Clique Aqui). Para mais informações, entre em contato: Telefone: (11) 4125-8322. WhatsApp: (11) 94199-4705. Facebook: https://www.facebook.com/stigabc

FONTE: STIG ABC

written by FTIGESP

Ir para página 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  última