Fev 13

Sindicato confirmou informação com a direção da empresa em Sorocaba

Em poucas semanas, depois do jornal A Tribuna de Santos fechar o seu parque gráfico e demitir todos os trabalhadores do setor, mais um jornal paulista decidiu seguir a mesma direção. Dessa vez foi o jornal Ipanema de Sorocaba. Diferente do A Tribuna que manterá sua versão impressa, terceirizando a produção na gráfica do Estadão, o jornal sorocabano não terá mais a sua edição em papel, segundo informações iniciais apuradas pelo Sindicato dos Gráficos (STIG) na região. Restará sua versão digital.

Com isso, todos os gráficos devem ser demitidos. A previsão inicial dada pela direção do Ipanema ao STIG é de que os desligamentos já podem ocorrer neste mês. No mesmo período deve encerrar a versão impressa do jornal. "Hoje existem 12 gráficos ativos no local. Nossa preocupação é com eles. O pagamento de seus direitos é uma dessas preocupações", conta João Ferreira, presidente do Sindicato da categoria nesta região.

João e o advogado do STIG, Dr. Silvio, já entraram em contato com a direção da empresa para tratar da situação. "Lamentamos esse desfecho para o jornal Ipanema impresso, mas, neste momento, faremos a nossa parte que é a busca pela garantia da quitação de todas as verbas rescisórias, FGTS e demais direitos pertencentes aos trabalhadores", diz.

O sindicato aguarda que uma reunião com a direção da empresa ocorra nos próximos dias para que tudo seja esclarecido e devidamente pago.

No caso do jornal A Tribuna de Santos, o STIG daquela região conferiu inclusive os termos de rescisão contratual dos gráficos demitidos. Todas as verbas rescisórias contidas nos termos foram pagas. No entanto, uma controvérsia foi verificada em relação ao acúmulo de função e diferença salarial de alguns trabalhadores. O sindicato já estuda judicializar o caso.

written by FTIGESP

Fev 12

Você que é socia venha participar do Dia Internacional da MULHER. Nossa comemoração será realizada na nossa Colônia na Praia Grande. Faça sua inscrição do dia 11/02/2019 à 28/02/2019 pelo tel.: 3311-4040 com Elisangela e/ ou Alessandra.  Saída dia 08/03/2019 e retorno dia 10/03/2019.Obs.: Colaboração 1k de alimento não perecível 

FONTE: STIG SÃO PAULO 

written by FTIGESP

Fev 12

Os trabalhadores da Brasgraphic, empresa em Valinhos que acaba de se reconhecer como uma gráfica, em atendimento ao pleito do Sindicato da classe (Sindigráficos), tiveram o salário reajustado este ano, já a partir da folha de pagamento de janeiro. O enquadramento sindical no local ainda garantiu o conjunto de direitos da classe, contido na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. A cesta básica mensal foi um deles. Receberam o benefício alimentício, antes não entregue, e continuarão a ganhar todo mês. Em reconhecimento a ação sindical, todos os profissionais decidiram que se sindicalizarão. Uma reunião ocorreu com eles na própria empresa. LEIA MAIS 


FONTE: STIG JUNDIAÍ 

written by FTIGESP

Fev 12
1- Fabiano EGB
2- Jeferson Fernando Orbis
3- Paulo sérgio santiago Socio Voluntario
4- Gerson farias vilas boas Roma Print
5- Erivaldo Santos Converplast
6- Camila Rodrigues Converplast
7- Sergio José da Silva Inapel
8- Daniel Barbosa Kawagraf
9 – Fernando Ferreira GD

written by FTIGESP

Fev 11

Uma conquista da Convenção Coletiva de Trabalho para a mulher gráfica onde lhe dá o direito de faltar ao trabalho de oito a dez vezes por ano para levar o filho ao médico também beneficia o trabalhador viúvo ou separado. Ausências ao serviço por este motivo são justificáveis. A empresa não pode descontar nada do salário do(a) profissional, nem aplicar qualquer sanção. A regra está na cláusula 54ª da convenção dos gráficos, mantida até agosto de 2020, por conta da luta do movimento sindical na última campanha salarial, liderado pela Federação da classe no estado (Ftigesp)

"Muitas trabalhadoras gráficas ainda não sabem deste direito. Com isso, perdem parte do salário quando vão com o filho ao médico durante o seu expediente de serviço, ou deixam de acompanha-los", conta Leonardo Del Roy, presidente da Ftigesp. Porém, nada disso precisa mais ocorrer. Há anos, foi conquistado e mantido o direito convencionado nesse sentido. A cláusula 54ª permite oito faltas sem qualquer desconto. Basta entregar o atestado médico do filho menor de 12 anos. Se tiver internamento, pode ser até 10 ausências ao trabalho por ano.

Mais raro ainda é o trabalhador gráfico que sabe que também tem igual direito. A cláusula é voltada para todo o empregado viúvo ou separado ou divorciado. Precisa provar judicialmente que tem a guarda legal do filho e os atestados médicos do mesmo. O atestado deve prioritariamente ser do convênio médico ou serviço médico da empresa. Em caso de não existir, deve ser do SUS ou de convênio particulares dos próprios empregados.

A cláusula ainda garante a falta justificada ao trabalho para acompanhar o filho de qualquer idade. Esse benefício é estendido para quem tem filho excepcional. Basta comprovar essa característica para garantir tal direito. "Não perca nenhum de seus direitos da convenção coletiva de trabalho, a qual lutamos todos os anos para mantê-la e avançar", destaca Del Roy. A convenção completa tem 87 cláusulas. Conheça bem em sua proteção.

A Ftigesp lembra que este direito de falta remunerada é só um dentre os 84 contidos na Convenção Coletiva de Trabalho dos Gráficos. "É crucial que os trabalhadores tenham consciência de que todos esses benefícios só existem através da negociação do movimento sindical junto ao setor patronal ao longo de décadas e até hoje", fala Del Roy. Muitos gráficos, por sua vez, afastam-se do sindicato motivados por publicidade contra o movimento sindical, enfraquecendo estas entidades que têm defendido a manutenção e conquista dos direitos. Não se autodestrua. Sindicalize-se!

written by FTIGESP

Ir para página  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  última