Fev 05

Gráficos com até 20 anos de Brasprint estão na empresa sem ela recolher o FGTS neste período. Apesar desta irregularidade, o proprietário não deu importância, mesmo com várias ações do sindicato para tentar resolver o problema. Assim, esse foi o cenário que resultou agora na conclusão de um processo coletivo do Sindicato em defesa da classe, garantindo aos gráficos o recebimento de cada centavo que a empresa deve nestes anos. E para informar quando e quanto cada trabalhador vai receber, o sindicato convoca a todos para uma reunião na sede regional do órgão em Cajamar Rua Oswaldo de Lorenzi, 112- Jordanésia – em frente ao supermercado Caminho) nesta quarta-feira (6), às 18h. O advogado do sindicato estará presente. LEIA MAIS


FONTE: STIG JUNDIAÍ

written by FTIGESP

Fev 05

"O atendimento inicial se deu na Gráfica Everest e estaremos entrando em contato com outras empresas para levar mais este benefício aos gráficos" dizi Sueli Reis, presidente do STIG Santos. A Diretoria do STIG Santos fechou convênio com a Clínica ACESSO Saúde para atendimento de seus associados e familiares, onde o associado vai pagar uma consulta no valor de R$88,00 para atendimento com médicos de várias especialidades, exames e ontologia e estética. Sindicalize-se LEIA MAIS

FONTE: STIG SANTOS 

written by FTIGESP

Fev 05

Sorteio para o Carnaval no dia 02/02/2019 com início para a entrega das senhas a partir das 08:00hs e início do sorteio às 10:00hs com carteirinha e RG em mãos... Venham participar!!! LEIA MAIS


FONTE: STIG SÃO PAULO 

written by FTIGESP

Fev 05

written by FTIGESP

Fev 04

Pagamento total dos direitos e dentro de um prazo mínimo são algumas regras e a recomendação patronal às gráficas homologarem no sindicato

Embora a nova lei trabalhista não obrigue as empresas de homologarem a rescisão contratual dos gráficos, apesar da recomendação do patronal para que se faça, a legislação, através da convenção coletiva da classe, obriga os donos das gráficas a cumprirem o pagamento de todos direitos do empregado na rescisão contratual. Em caso de aviso prévio laborado, uma das regras é o prazo de 10 dias para quitação de tudo que se deve. Não pode haver parcelamento. O FGTS, acrescido de mais 40% do valor, também deve ser pago no prazo. E a multa no valor de um salário nominal do demitido deve ser pago pela gráfica se pagar depois do referido prazo.

A homologação da rescisão pelo sindicato evita inclusive que algo passe, o que pode levar a empresa a ter de enfrentar ações judiciais e acréscimo do passivo trabalhista. Contudo, muitas empresas passaram a correr este risco. "Os trabalhadores, por sua vez, podem levar os termos de rescisão para o sindicato análise se tudo foi devidamente listado e quitado. Se não, a entidade e o trabalhador podem acionar a empresa mesmo depois de dois anos da demissão", diz Leonardo Del Roy, presidente da Federação Trabalhadores da categoria no Estado de São Paulo (Ftigesp).

Todavia, para aquelas empresas que insistirem em correr o risco jurídico em consequência por não homologar, e sobretudo para os trabalhadores dessas gráficas que impedem a análise sindical, a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, na cláusula 37°, determina seis pontos obrigatórios e mais uma recomendação patronal para que homologuem a rescisão contratual dos trabalhadores nos respectivos sindicatos do local.

"Nada está solto. A CCT ainda continua mantendo as condições para que a rescisão seja feita dentro do respeito aos direitos dos trabalhadores, isto porque a cláusula 37º regulamenta o processo da rescisão, em especial o pagamento total das verbas rescisões e dentro de um prazo certo", frisa Del Roy. As empresas devem conhecer bem a convenção. Mas sabendo ou não, são obrigadas a cumpri-la. Os trabalhadores também precisam saber dos deveres da empresa, independente do que os patrões dizem.

written by FTIGESP

Ir para página  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  última