Jul 20
Conferência aborda gerenciamento de serviços de impressão
Nos dias 25 e 26 de julho, em São Paulo, acontece a Conferência MPS Brasil 2011, evento voltado ao segmento de gerenciamento de serviços de impressão. Organizada pelo Grupo Photizo, a conferência, que está em sua primeira edição, vai reunir painéis educativos e sessões interativas sobre as melhores práticas, métodos de gestão, desenvolvimento do programa e outros aspectos dos serviços de gestão de impressão. A Photizo estima que os negócios de MPS no Brasil irão crescer a uma taxa anual de 49% no período de 2009-2014, tornando o país o mercado com maior crescimento neste segmento no mundo, depois da Índia. Responsável por 41% das receitas MPS na América Latina, o Brasil ofusca o México, seu concorrente mais próximo, em 13%. Estarão presentes na conferência representantes da Ricoh, Print Audit, Print Fleet, Guia Del Reciclador, entre outros. A agenda completa pode ser consultada no site do evento. Publish

Desemprego em junho cai para 6,2%, segundo o IBGE
RIO - A taxa de desemprego no país caiu em junho para 6,2%, de acordo com dados da Pesquisa Mensal de Empregos, divulgada nesta terça-feira pelo IBGE. Esse é o menor resultado para o mês de junho desde o início da série histórica, em março de 2002, mas representa uma queda de apenas 0,5% em relação ao índice verificado em maio, 6,4%. Em relação a junho do ano passado, quando o desemprego ficara em 7,0%, a queda foi de 0,8 ponto percentual.
Já o número de pessoas desocupadas em junho ficou estável em relação a maio, em 1,5 milhão de pessoas. Em relação a junho do ano passado, houve queda de 10,4%, o que representa menos 172 mil pessoas procurando emprego. A população ocupada em junho também ficou estável na comparação com o mês anterior, em 22,4 milhões de pessoas. O mesmo aconteceu no número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado, 10,8 milhões.
O rendimento médio real dos ocupados ficou em R$ 1.578,50, o maior valor para junho desde maio de 2002, com uma alta de 0,5% em relação a maio e 4,0% na comparação com junho de 2010. A Pesquisa Mensal de Emprego é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Portal Ig

Em junho foram criados mais de 215 mil empregos
Brasília - O mês de junho registrou a criação de 215.393 empregos, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados hoje (19) pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi. Foram admitidas 1.781.817 pessoas e demitidas 1.566.424. No mesmo período de 2010, o saldo foi 212 mil empregos e, no mês passado, o saldo foi 252 mil empregos.
No semestre, o saldo de empregos é 1.414.660, resultado superior ao do primeiro semestre de 2010 (1,63 milhão) e ao do primeiro semestre de 2008 (1,44 milhão). O saldo dos últimos doze meses, de julho de 2010 a junho deste ano, é 2.249.365 empregos. Os dados sofrem ajustes por causa dos empregos declarados ao ministério depois do prazo. Agência Brasil
Arrecadação federal cresce 12,68% no primeiro semestre e bate recorde
Brasília - A arrecadação total de impostos e contribuições federais acumulou no primeiro semestre em termos nominais R$ 482,610 bilhões, informou hoje (19) a Receita Federal. O resultado é recorde e representa um crescimento real de 12,68% em comparação ao mesmo período do ano passado.
Só em junho, a arrecadação ficou em R$ 82,726 bilhões, em termos nominais, valor que também é recorde para o mês. O resultado representa crescimento de 15,47% em comparação a maio de 2011 e de 23,07% em relação a junho de 2010.
Segundo a Receita Federal, um dos principais motivos para o resultado da arrecadação, em junho, foi a consolidação de dívidas do chamado Refis da Crise instituído pela Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009, para ajudar as empresas brasileiras ante a crise financeira internacional. Enquanto em junho de 2010 a Receita arrecadou R$ 615 milhões com o programa de refinanciamento de tributos, em junho deste ano o valor somou R$ R$ 6,757 bilhões.
Os dados sobre a arrecadação estão sendo apresentados em entrevista coletiva pelo secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. Agências Brasil

Taxa de emprego no país atinge 53,3% da população, segundo IBGE
Rio de Janeiro - O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje (19) que 53,3% da população do país estão empregados. O índice corresponde ao nível de desocupação, que atingiu em junho o menor percentual da série da pesquisa, iniciada em 2002.
O resultado reflete o aumento de empregos no setor serviços, que gerou 6,4% a mais de postos de trabalho entre junho do ano passado e o mesmo mês de 2011. A indústria também se destacou em junho ante maio, contratando 0,8% a mais que no mês anterior.
Os aumentos se refletiram no crescimento da taxa de ocupação de 2,3% entre junho de 2010 e o mesmo mês de 2011, o equivalente a 512 mil postos de trabalho. Porém, não fez subir a taxa em relação a maio deste ano e a população ocupada somou em junho 22,4 milhões de trabalhadores.
De acordo com o coordenador da pesquisa, Cimar Azeredo, não houve transferência de trabalhadores de um setor para o outro nos períodos pesquisados, o que mantém o desemprego estável no ano. Entre maio e junho de 2011, a taxa de desocupação diminuiu de 6,4% para 6,2% e na comparação com junho de 2010 a redução foi 0,8 ponto percentual.
Na passagem de um mês para o outro, a pesquisa também destaca que dois setores ligados ao consumo demitiram mais que contrataram e podem ter freado a queda da desocupação esperada para o fim do primeiro semestre. O comércio deixou de empregar cerca de 70 mil pessoas (-1,7%) e o outros serviços (turismo, restaurantes, etc), cerca de 40 mil (-1,2).
"Existe uma redução na desocupação, mas não é suficiente para fazer a taxa reduzir significativamente", disse Azeredo. Segundo ele, o esperado era uma taxa de desemprego menor, que não se concretizou por questões "exógenas".
O pesquisador ressaltou que embora as contratações tenham diminuído nos dois setores ligados ao consumo, o poder de compra da população cresceu. O rendimento médio real teve aumento de 4% entre junho de 2010 e junho de 2011 e ficou em R$ 1.578.50. Em 2011, na comparação mês a mês, cresceu pela sétima vez consecutiva entre maio e junho.
"A perda [de empregos] no comércio foi 73 mil. Se essa queda fosse acompanhada da diminuição do rendimentos, poderíamos dizer que representava redução do poder de compra, mas isso não é verdade", assinalou Azeredo.
De acordo com ele, a organização do mercado de trabalho por causa de um cenário econômico mais favorável e maior formalização podem justificar o aumento. Agência Brasil

Profissionais não podem ter benefícios suspensos por empregador
SÃO PAULO – Os empregadores que reduzirem ou suspenderem os benefícios já oferecidos aos profissionais poderão sofrer reclamações trabalhistas. O direito adquirido, como é conhecido o conceito, está previsto no artigo 468 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e protege o empregado de quaisquer alterações contratuais que possam prejudicá-lo de forma direta ou indireta.
Em outras palavras, isto significa que nenhuma empresa pode alterar a concessão de benefícios como os vales-refeição e alimentação, cestas básicas e até mesmo os planos de saúde que sejam custeados parcial ou integralmente pelo empregador.
De acordo com a advogada trabalhista e previdenciária do Cenofisco, Rosania de Lima Costa, o benefício não pode ser alterado independentemente do tempo de concessão. “O bem cedido integra o contrato de trabalho e, por hábito, pertence ao trabalhador. Como a legislação não estabelece o período para que este benefício seja considerado um direito adquirido, entende-se por tal aquilo que é habitual, ou seja, cotidiano do funcionário”.
Desta forma, não é possível ao empregador justificar tais alterações alegando que o funcionário não possua tempo o suficiente de contratação para a permanência do bem. “O empregado deve entrar com uma ação trabalhista caso o empregador opte por reduzir seu vale-refeição. Caberá ao Poder Judiciário decidir qual o tempo 'de casa' necessário para que o bem passe a ser considerado um direito adquirido”, diz Rosania.
Exceções à regra
Como a suspensão de um benefício não é tolerável pela legislação, fica como direito do empregador alterar a forma como ele será concedido.
Um exemplo comum observado em empresas, por exemplo, diz respeito à instalação de uma cozinha na companhia. Neste caso, a suspensão do vale-refeição costuma acontecer para que a alimentação dos funcionários seja oferecida em um refeitório próprio.
“A medida pode não agradar a todos, mas é permitida ao empreendedor, afinal, neste caso, ele não alterou o contrato, apenas mudou a forma de oferecer o benefício ao empregado”, diz a advogada.
Os planos de saúde custeados parcial ou integralmente pelo empresário também seguem a mesma linha de raciocínio. “Se a empresa arcar com 100% do custo, não pode informar posteriormente que passará a pagar apenas 50%”, explica Rosania. Contudo, nada impedirá o empregador de optar por outro plano mais econômico para a empresa - desde que tal mudança não implique prejuízo aos funcionários.
Vale-transporte
O vale-transporte é um dos únicos benefícios que o empregador não pode alterar de forma alguma, conforme as determinações da legislação federal.
A definição da quantidade de conduções deverá ser informada pelo trabalhador, que responderá pela veracidade das informações. “A empresa jamais pode dizer ao funcionário quais conduções ele deve pegar, sejam porque elas se mostrem mais econômicas ou mais rápidas. A escolha final do meio de transporte sempre será do trabalhador, cabendo à empresa o custeio da operação”, diz Rosania.
Lembrando que o uso indevido deste benefício pode, sim, provocar uma dispensa do trabalhador por justa causa, especialmente se o uso do vale-transporte for feito de forma inadequada. “A empresa pode tomar esta atitude se descobrir que o profissional recebe um benefício superior ao realmente necessário para seu transporte”, completa a advogada. Fonte: MSN

Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Jul 19
A taxa de desemprego no país caiu em junho para 6,2%, de acordo com dados da Pesquisa Mensal de Empregos, divulgada nesta terça-feira pelo IBGE. Esse é o menor resultado para o mês de junho desde o início da série histórica, em março de 2002, mas representa uma queda de apenas 0,5% em relação ao índice verificado em maio, 6,4%. Em relação a junho do ano passado, quando o desemprego ficara em 7,0%, a queda foi de 0,8 ponto percentual.
Já o número de pessoas desocupadas em junho ficou estável em relação a maio, em 1,5 milhão de pessoas. Em relação a junho do ano passado, houve queda de 10,4%, o que representa menos 172 mil pessoas procurando emprego. A população ocupada em junho também ficou estável na comparação com o mês anterior, em 22,4 milhões de pessoas. O mesmo aconteceu no número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado, 10,8 milhões.
O rendimento médio real dos ocupados ficou em R$ 1.578,50, o maior valor para junho desde maio de 2002, com uma alta de 0,5% em relação a maio e 4,0% na comparação com junho de 2010. A Pesquisa Mensal de Emprego é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

written by FTIGESP

Jul 19
Natura muda fórmulas e embalagens
A Natura anunciou um plano para revitalizar a marca Ekos, uma das mais importantes para o grupo. É o principal projeto da empresa para o ano entre todas as linhas que o grupo opera. Foram alterados o conteúdo dos produtos e as embalagens. A mudança gerou uma nova grafia para a marca, além de uma novo formato, baseado em garrafas e cuias. Histórias das comunidades devem ser contadas nos rótulos dos produtos. Quarenta por cento das embalagens são feitas em papel reciclado - antes essa taxa era zero. E o material que embala os refis passaram a ser feitos de plástico verde, oriundo da cana de açúcar. O plano pretende dar um novo gás para uma linha que, desde o lançamento, há 11 anos, não havia recebido um novo investimento de maior peso.Valor Econômico

Abril Mídia investirá em revistas regionais mensais
A partir do segundo semestre de 2011, a Abril Mídia irá investir em publicações regionais com periodicidade mensal. O primeiro lançamento, a Interview Curitiba, acontecerá no mês de agosto e trará diversos assuntos relacionados à capital paranaense. A publicação terá estrutura de 132 páginas - trará desde seções de gastronomia, arte, moda e bem-estar, até perfis e colunas assinadas por personalidades da cidade, tudo pelo ponto de vista de jornalista e personalidades curitibanas. Há previsão de outras cidades ganharem edições regionais batizadas de Interview. Na lista estudada estão: Recife, Porto Alegre, Salvador e Belo Horizonte. A primeira edição do Interview Curitiba terá tiragem de 18 mil exemplares, sendo que 15 mil unidades serão distribuídas gratuitamente para um mailing selecionado e o restante vendido em bancas. O mailing será 100% dirigido para a classe A e B, sendo 65% são mulheres, 35% homens e 70% com curso superior, pós-graduação ou mestrado. Há páginas de publicidade abertas. AdNews

TECNOLOGIA I – O estudante de engenharia elétrica da Universidade Federal de Goiás (campus de Jatai) Leonardo Lira (20 anos) inventou um sistema para tratamento de água que não usa energia elétrica, não emite gás carbônico e retira material que pode poluir o meio ambiente. De baixo custo, o sistema pode ser utilizado por comunidades carentes sem acesso a saneamento básico.

TECNOLOGIA II – Com cinco tábuas de compensado revestidas de papel-alumínio, Leonardo fez uma caixa sem tampa de aproximadamente 1 metro quadrado com as paredes abertas e inclinadas, uma espécie de concentrador que recebe luz do sol.

TECNOLOGIA III – No interior da caixa, o estudante depositou quatro garrafas PET transparentes com capacidade para 2 litros, cada, onde armazena a água para tratamento por três a seis horas. A água chega a atingir uma temperatura de 70 graus Celsius (30 graus a menos do que a temperatura de fervura), e, aquecida, elimina bactérias, vírus e substâncias que fazem mal à saúde humana.

TECNOLOGIA IV – Para testar o concentrador solar, Leonardo fez três séries de amostras de água de cinco residências que não recebem água encanada e tratada. O líquido foi pré-analisado pela Saneamento de Goiás S/A (companhia de saneamento do estado), que descreveu as impurezas e quantificou em tabela a ocorrência de coliformes fecais e de organismos como o rotavírus. Nos testes, após três horas no concentrador, eles foram eliminados. A água pôde ser bebida depois de esfriar naturalmente em jarra própria. Fonte: Agência Brasil

Veja quem receberá atrasados em 31 de outubro
O Ministério da Previdência Social vai pagar os atrasados (diferenças não pagas dos últimos cinco anos anteriores ao pedido de correção) ao aposentado que tem direito à revisão pelo teto entre 31 de outubro deste ano e 31 de janeiro de 2013, em quatro lotes. Serão contemplados antes aqueles que têm até R$ 6.000 de atrasados e entrará no último lote quem tem mais de R$ 19.000.
 Saiba tudo sobre a revisão pelo teto no INSS
 Aposentado de 88 a 91 tem grana na Justiça
Para saber exatamente quando você poderá sacar a bolada, o Agora mostra como descobrir o valor de atrasados a que você tem direito. O valor médio a ser pago pelo INSS é de R$ 11 mil.
Primeiro, será preciso que você calcule qual o seu índice de reajuste. Depois, aplique esse percentual ao valor do seu benefício e faça as contas. Os resultados são aproximados e com base em cálculos feitos por advogados previdenciários. Agora SP

Aposentado por invalidez pode ter adicional
O beneficiário que ganhou a aposentadoria por invalidez e que depende de cuidados permanentes de terceiros pode pedir adicional de 25% no valor do benefício.
A decisão já é reconhecida pelo INSS e a revisão no valor pode ser pedida diretamente no posto. No entanto, especialistas ouvidos pelo Agora apontam que, em casos de doenças como a esclerose múltipla ou o HIV, ainda é preciso entrar com ação na Justiça pleiteando o aumento.
"Em 90% dos casos é preciso ir à Justiça. No Judiciário não existe padrão de doença e quem vai dizer se você precisa do adicional é o próprio juiz. Será feita perícia e verificado se a pessoa pode realizar atos cotidianos sem a ajuda de terceiros", diz a especialista em direito previdenciário e presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), Melissa Folmann. Agora SP

Aumento de renda de classes mais baixas puxa preço de produtos menos essenciais
SÃO PAULO - O aumento da renda das classes C e D vem contribuindo para a evolução dos preços de serviços menos essenciais. De acordo com levantamento feito pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), o maior consumo de serviços como teatro e salão de beleza, por exemplo, por tais classes foi responsável por uma alta acumulada de 9,24% em 12 meses até junho no IPC-BR (Índice de Preços ao Consumidor).
Os serviços em questão são aqueles vistos como uma novidade no orçamento da população de renda mais baixa, como gastos com salão de beleza, lavanderia, cinema, show, teatro e academia de ginástica.
Serviços menos essenciais
O economista da FGV, André Braz, elaborou uma lista com 16 serviços pesquisados pelo IPC-BR que são mais atrelados à recreação, estética, ou serviços terceirizados de atividades domésticas.
Braz entende que tais atividades serão fontes constantes de pressão na inflação varejista, uma vez que a demanda não dá sinais de que irá diminuir. Em 12 meses, alguns serviços já apresentaram alta de dois dígitos, como passagem aérea (13,71%), hotel (12,83%), teatro (11,12%) e alfaiate e costureira (10,98%).
Empregados domésticos (7,11%) e salão de beleza (9,90%) também representaram importante aumento nos gastos.
Vale destacar outros serviços que tiveram variação média acima da inflação do período, como show musical (7,24%), academia de ginástica (8,42%) e lavagem de carros e lubrificação (7,31%). Braz comenta que essa situação reflete o aumento de renda da população, já que tais gastos poderiam ser substituídos por opções mais baratas ou simplesmente não existirem. Infomoney

Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Jul 18
CALÇADISTA – Você sabia que um em cada 12 moradores de Franca, interior de São Paulo, é sapateiro? A informação consta do programa “Cidades e Soluções”, do Globo News, que foi ao ar nesta semana. Vale a pena conferir o programa para conhecer mais sobre esse setor industrial, suas consequências ao meio ambiente e sua relação com a cidade. Para ver o programa clique aqui .

COMUNICAÇÃO – Quer conhecer o futuro na área de informação? Pois é, esse futuro ninguém sabe ao certo como será, o que se sabe é que a comunicação como a conhecemos até hoje, com a tradição do meio impresso, mudou. Hoje as notícias se atropelam causando a sensação de “estar informado”, mas também muito desconforto com a ansiedade. Para saber mais sobre esse “mundo novo” vale conferir o programa que foi ao ar no Globo News sobre a comunicação e os tablets, clicando aqui .

SAÚDE I – Após denúncias da população, catorze clínicas psiquiátricas e asilos para idosos de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, estão sendo investigados pelo Ministério Público (MP). Inquéritos civis apuram suspeitas de irregularidades na documentação dos estabelecimentos e de maus-tratos a internos.

SAÚDE II – Responsável pelos inquéritos abertos no ano passado, a promotora de Saúde e Política para Idosos, Ana Paula Ferrari Ambra, visitou as clínicas sob investigação. Em operação conjunta com a prefeitura de Franco da Rocha, ela constatou as instalações precárias e o tratamento inadequado em alguns estabelecimentos.

SAÚDE III – A falta de equipamentos públicos para o atendimento a esses idosos e doentes facilita a proliferação das clínicas clandestinas no município. Franco da Rocha, que ficou conhecida como a cidade de um dos maiores hospitais de isolamento psiquiátricos do país, o Juquery, não tem hoje como atender as cerca de 348 pessoas que vivem nas clínicas investigadas pelo MP. Fonte: Agência Brasil

INSS vai pagar atrasados de revisão à vista
BRASÍLIA -- O governo vai pagar os atrasados da revisão pelo teto entre os dias 31 de outubro deste ano e 31 de janeiro de 2013. Serão contemplados antes, em outubro, cerca de 69 mil segurados que têm até R$ 6.000 para receber. A bolada será paga de uma vez. Receberão 131 mil segurados com benefícios limitados à época da concessão entre 5 de abril 1991 e 1º de janeiro de 2004.
 Pensão após 2004 também pode ter correção
O calendário de pagamento foi anunciado ontem pelo ministro da Previdência, Garibaldi Alves, após acordo com o Ministério da Fazenda e a Advocacia-Geral da União.
Agora, o governo irá apresentar a proposta de pagamento à Justiça de São Paulo, que deverá aprovar o calendário para que ele possa valer. Isso porque uma decisão obriga o INSS a pagar os atrasados até dezembro de 2012. Como o calendário do INSS prevê parte do pagamento em 2013, é preciso que a Justiça concorde com a proposta. Agora SP

Quem abandonar o lar poderá perder a sua casa
A pessoa que abandonar a família e não voltar em até dois anos perderá o direito sobre o imóvel onde morava. Uma lei que entrou em vigor em 16 de junho deste ano cria uma sanção patrimonial para quem abandona o lar.
A regra vale só para imóveis urbanos de até 250 m² e quando a pessoa que deixou o lar não registrou seu interesse futuro na propriedade. Pela mudança no Código Civil, dois anos depois do abandono, o cônjuge ou companheiro deixado para trás se torna proprietário da residência mesmo que ela esteja em nome do outro. Antes, não havia regra específica.
A Justiça costumava não ver usucapião [adquirir uma propriedade pelo tempo de posse] nessas situações. "Isso é comum em São Paulo. A pessoa vem do Nordeste, se separa, volta pra lá e desaparece. O problema é que o juiz só partilhava o imóvel do casal e não permitia o usucapião", diz o defensor público Luiz Rascovski.
Abandonada pelo marido há seis anos, Iracema Maciel dos Santos, 59 anos, diz esperar que a lei dê resultado para regularizar a casa em que mora no bairro Cidade Ademar, na zona sul de São Paulo.
"Nós compramos a casa com um contrato de gaveta e não transferimos a escritura. Ele [ex-companheiro] chegou para mim e disse: "Já que não tem papel, se vira com isso aí", conta Iracema. Agora, com a nova regra, o caso deverá ser agilizado na Justiça. A aposentada teve ajuda da Defensoria Pública de São Paulo, que atende, em média, 30 casos de abandono de lar por semana na capital. A nova regra de abandono de lar foi aprovada no meio de um pacote para o programa Minha Casa, Minha Vida. Folha de S.Paulo

IBGE aponta queda em migrações entre regiões
Rio de Janeiro - Pesquisa divulgada hoje (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra mudanças nas migrações entre as regiões do país. O estado de São Paulo não exerce a mesma atração de duas décadas atrás, e o Nordeste não é mais a principal área de emigração.
De acordo com o levantamento, o número de migrações entre regiões vem apresentando queda. De 1995 a 2000, 3,3 milhões de pessoas deixaram a região em que viviam. O número caiu para 2,8 milhões, entre 1999 e 2004, e chegou a 2 milhões no período de 2004 a 2009.
A Região Sudeste, entre 2004 e 2009, teve mais emigrantes do que imigrantes (saldo de 12,4 mil) e o Nordeste, de onde partia boa parte de pessoas em busca de melhores condições de vida em outras regiões do país, perde população em escala menor.
A pesquisa também mostra que, na maioria dos estados brasileiros, o fluxo de imigrantes e de emigrantes é praticamente igual. Entre 1999 e 2009, mesmo áreas consideradas tipicamente emigratórias ou aquelas potencialmente atrativas registraram trocas equilibradas. Agência Brasil

Lei que desestimula uso de sacolas plásticas faz um ano e tem bom resultado no Rio
Rio de Janeiro – Em um ano de vigência da Lei 5.502/09, que desestimula o uso de sacolas plásticas no estado, a população fluminense deixou de consumir 600 milhões de sacolas. O número representa redução de cerca de 25% das 2,4 bilhões de sacolas que eram distribuídas anualmente no estado.
Os dados foram levantados pela Associação dos Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj) e divulgados hoje (15) pelo secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, que ficou satisfeito com o resultado. No entanto, Minc disse que é preciso intensificar a campanha e criar novas ações para estimular o consumo consciente da população fluminense.
“É um resultado expressivo. São menos 600 milhões de sacolas nos rios, lagoas e canais. É menos gasto para o Poder Público em dragagem e menos gente que perde tudo e morre por causa das inundações. Mas nosso objetivo é dobrar essa meta no ano que vem e passar para 50% de redução em relação ao número inicial de 2,4 bilhões de sacolas”, acrescentou.
Entre as propostas para incentivar o consumidor a aderir à campanha para reduzir o consumo de sacolas plásticas, Minc citou a redução do preço das embalagens reutilizáveis, o aumento do desconto dado ao cliente que não usa sacolas plásticas e a veiculação de peças publicitárias sobre o assunto.
Nesta manhã, o secretário visitou alguns supermercados na capital, para ver se os estabelecimentos estão cumprindo a lei e dando o desconto de 3 centavos por sacola não utilizada, viabilizando alternativas e informando com cartazes sobre o desconto e os males ao meio ambiente que esse tipo de embalagem traz. Durante a operação foram entregues também folhetos para incentivar a sociedade a mudar de comportamento.
Para o presidente da Asserj, Aylton M. Fornari, a lei vingou. “A população aceitou bem a iniciativa, e nós, da associação, vemos os resultados com bons olhos. Não vai resolver o problema, mas, enquanto não houver ações mais severas ou um produto menos danoso para substituir de vez as sacolas plásticas, a lei pelo menos minimiza o problema”, disse Fornari.
Adepta das sacolas retornáveis antes de a lei entrar em vigor, a publicitária Sibele Aquino reclama da falta de informação sobre os descontos nos supermercados e da pouca consciência das classes média e alta que, segundo ela, ainda usam as sacolas plásticas por preguiça. “Estive em Portugal recentemente e lá os mercados cobram cerca de 10 centavos de euro por cada sacola plástica. Acho que deveria ser assim aqui também”, sugeriu. Agência Brasil

Jorge Caetano Fermino

written by FTIGESP

Jul 15
BRASÍLIA -- O governo vai pagar os atrasados da revisão pelo teto entre os dias 31 de outubro deste ano e 31 de janeiro de 2013. Serão contemplados antes, em outubro, cerca de 69 mil segurados que têm até R$ 6.000 para receber. A bolada será paga de uma vez. Receberão 131 mil segurados com benefícios limitados à época da concessão entre 5 de abril 1991 e 1º de janeiro de 2004.
Pensão após 2004 também pode ter correção
O calendário de pagamento foi anunciado ontem pelo ministro da Previdência, Garibaldi Alves, após acordo com o Ministério da Fazenda e a Advocacia-Geral da União.
Agora, o governo irá apresentar a proposta de pagamento à Justiça de São Paulo, que deverá aprovar o calendário para que ele possa valer. Isso porque uma decisão obriga o INSS a pagar os atrasados até dezembro de 2012. Como o calendário do INSS prevê parte do pagamento em 2013, é preciso que a Justiça concorde com a proposta. Agora SP

written by FTIGESP

Ir para página início  558 559 560 561 562 563 564 565 566 567  última